Desoneração na construção civil: o que é e qual seu impacto no orçamento da obra?

Desoneração de construção civil

O setor da construção civil precisa seguir algumas legislações, de modo a deixar as empresas do segmento mais organizadas, uma delas é a desoneração.

Saiba mais sobre o que é desoneração na construção civil e seu impacto no orçamento da obra.

O que é desoneração na Construção Civil?

De uns anos para cá, o setor da Construção Civil recebeu uma alta demanda de projetos, o que resultou em uma elevada contratação de funcionário e, consequentemente, de custos tributários. Isso fez com que o segmento, assim como muitos outros no país, optasse pela informalidade, ou até mesmo por máquinas que substituísse o trabalho braçal.

Diante desse problema, o Governo Federal, com base nas suas atribuições legais, aprovou uma redução da carga tributária das empresas, essa medida ficou conhecida como desoneração.

Sendo assim, a desoneração na construção civil surge de duas formas:

– Obrigatório;

– Opcional.

Sendo que a opção pode se dar por projeto, ou seja, por obra, ou pela empresa, sendo aplicável a todos os projetos daquela construtora.

Dessa forma, nasce a contribuição substitutiva, também chamada de CPRB, prevendo uma alíquota de 2%. Mas o problema é que ela pode esbarrar com a contribuição de 4,5% mediada por lei, fazendo com que a construtora pague duas alíquotas.

O que diz a lei de desoneração na Construção Civil?

A lei de desoneração na Construção Civil é mediada pela 13.131 de agosto de 2015, já se tornando um substitutivo a Lei 12.546/11, tornando a desoneração uma opção e trazendo a majoração da alíquota do CPRB sobre receita bruta, prevendo os 4,5% de contribuição.

Ainda segundo a lei, a desoneração na construção civil se aplica às empresas que são construtoras, mediadora de venda de serviços ou prestadoras de serviços especializados para o segmento. Dessa maneira, podemos entender que as organizações que prestam serviços, possuem folha de pagamento e podem optar por seguir essa legislação.

Outra questão importante da lei é a fiscalização por meio do CNAE fiscal dessas empresas. Para a desoneração na Construção Civil, podem optar por ela, as organizações que possuem CNAE fiscal nos grupos 41, 42 e 43, respectivamente.

Impacto da desoneração no orçamento da obra

É sabido que o orçamento é uma das partes mais fundamentais para a construtora, é nele que se encontram as obrigações orçamentárias e a viabilidade da empresa em conseguir honrar com o compromisso.

Sendo assim, a desoneração na construção civil vem como uma maneira de mediar os custos, tornando a obra pouco onerosa para o cliente e também para a empresa.

Por isso, ter a opção é importante, uma vez que caso a empresa já tenha uma folha de pagamento que seja maior do que 22% do valor dos serviços e quando o gasto com pessoal administrativo e pró-labore seja significativo o suficiente para ter um alto impacto no valor final do projeto.

No entanto, caso a construtora já faça uso da terceirização de mão de obra durante a execução do projeto e os gastos com o pessoal administrativo é muito pequeno, não é vantagem optar pela desoneração na Construção Civil pelo valor da alíquota, deixando essa opção mais cara para o orçamento do que de outra forma.

Acesse nossas redes e confira os serviços de construção civil que podemos auxiliar.

Como evitar os erros mais comuns em um orçamento de obras

Fazendo orçamento de obras

O orçamento de obras é uma etapa crucial em um projeto de construção civil. Afinal, qualquer erro neste momento pode simplesmente inviabilizar o empreendimento. Neste artigo, vamos explicar os erros mais comuns num orçamento de obras e como é possível evitá-los.

Acompanhe a leitura!

Precificação dos materiais e serviços

A precificação correta dos materiais e insumos para a construção, além do custo da mão-de-obra para executá-la, é um dos erros mais comuns quando falamos em um orçamento de obras.

Sendo assim, é fundamental incluir no orçamento o valor mais atual possível de itens como:

  • Materiais de construção e insumos;
  • Maquinários;
  • Profissionais;
  • Etc.

Essa atualização dos preços serve para que possíveis diferenças nos custos sejam previstas antes de iniciar a construção. Além disso, ter esses custos atualizados faz com que o orçamento da obra seja o mais assertivo possível, evitando prejuízos.

Inclusão de custos indiretos

Outro erro bastante comum é a falta de inclusão de custos indiretos no orçamento de obras. Podemos citar exemplos como a parte administrativa da empresa, viagens, impostos, seguros, entre outras despesas que deveriam estar incluídas no orçamento de obra.

No entanto, a não inclusão desses custos indiretos pode significar prejuízos ao final do projeto. Sendo assim, é importante que a construtora saiba como calcular o BDI.

Essa sigla significa Benefícios e Despesas Indiretas, e serve justamente para dar exatidão no cálculo do orçamento de obras. Desta forma, a empresa garante uma margem de lucro mais precisa para a execução e entrega da obra.

Calcular os Impostos

É comum que alguns estados e municípios possuam alíquotas de impostos diferentes. Com isso, construtoras que executam obras em diversas regiões do país precisam ficar atentas com as diferenças na cobrança de tributos.

Sendo assim, para evitar um erro no cálculo de impostos, é importante fazer uma revisão periódica das taxas de impostos e verificar possíveis alterações na lei que possam encarecer o custo da obra.

Inclusão de fretes e descargas para a obra

Toda obra recebe materiais e insumos constantemente. E nem sempre o custo do transporte e descarga de materiais é incluído no orçamento de obra, o que pode impactar e encarecer o custo final do projeto.

Para evitar este erro, é fundamental ter uma excelente previsibilidade em relação a quantidade de materiais e insumos que serão utilizados, além de projetar possíveis variações no custo de fretes ao longo do período da obra.

Custos trabalhistas

Por fim, sua empresa deve evitar erros relacionados a custos trabalhistas. O custo da mão-de-obra nas construções varia bastante de região para região. Sendo assim, é importante estar atento aos custos com salários estabelecidos pelas convenções coletivas locais.

Isso dará uma projeção mais assertiva em relação ao custo com as equipes no canteiro. E evitar erros com custos trabalhistas é essencial, tendo em vista a possibilidade de futuras ações trabalhistas e indenizações para empregados da obra, impactando no orçamento final da obra.

Outra possibilidade é encontrar parceiros que possam executar algumas etapas de forma terceirizada. Assim, sua empresa diminui a quantidade de operários próprios e garante maior assertividade no orçamento de obra.

Gostou deste conteúdo? Entre em contato conosco e saiba como nossa empresa pode desenvolver o seu orçamento de obra e garantir a viabilidade do seu projeto!

Orçamento executivo: entenda os 3 principais pontos

Orçamento Executivo, entenda os 3 principais pontos

Orçamento Executivo é uma ferramenta crucial. Afinal, é por meio dele que é possível determinar a viabilidade de um projeto de Construção Civil. Nesse ramo, trabalhar no improviso pode ser muito caro e um verdadeiro desastre. Por isso, ferramentas que ajudam a estimar os custos são tão valiosas.

Mas, você sabe como fazer isso com precisão? Dentro desse assunto, existem 3 pontos principais que devem ser observados. Caso você queira conhecer quais são, continue lendo este post, e entenda os 3 principais pontos de um Orçamento Executivo.

O que é Orçamento Executivo e por que é importante?

Antes de mais nada, é preciso entender bem o que é esse conceito. Ele tem um grande diferencial em relação ao orçamento comum, pois se preocupa com os detalhes de como a obra será feita. Por exemplo, o foco não é apenas na obra principal, mas sim em todos os serviços auxiliares que precisam ser feitos.

Na abordagem convencional, a orçamentação é feita com base na obra pronta, o que significa que o processo para chegar lá não é considerado. Já o executivo, se baseia no estado em que a obra está a cada momento.

O propósito desse detalhamento, é otimizar todos os recursos durante a obra:

– Humanos;

– Financeiros;

– Físicos;

– De tempo.

Para isso, os custos são atualizados ao longo do tempo, de modo a garantir que ela está nos eixos.

Como é um cálculo muito preciso, com uma margem de erro pequena, é possível obter diversas respostas a partir dele. Por exemplo, a viabilidade técnica e econômica, o cronograma físico e financeiro, e muito mais.

Por conta disso, existem muitas vantagens ao implementar esse modelo de orçamento, como a possibilidade de evitar certos imprevistos. Afinal, o gestor não precisa mais adiar ou antecipar a compra de certos insumos, pois o cronograma já está bem definido.

Complementando essa vantagem, o conceito também atua em sentido oposto. Ou seja, permite encontrar falhas e problemas durante a execução da obra.

Quais são os 3 principais pontos de um Orçamento Executivo?

Por conta disso, fica claro que essa é uma ferramenta importantíssima. Por outro lado, também é desafiadora.

É um processo que demanda tempo e conhecimento, o que significa que é preciso planejamento para fazê-lo. Para começar, é preciso conhecer os 3 principais pontos do Orçamento Executivo, que são:

    • Estudos de viabilidade econômica e técnica;
    • Pedidos de financiamentos, para a execução de obras;
    • Licitações das obras.

Além desses pontos, é preciso que o orçamento não cubra somente os valores da obra projetadas, mas também todas as obras auxiliares para a execução dos serviços. Por exemplo, os canteiros de obras.

É claro que os orçamentos precisam acompanhar a realidade da execução das obras. Por isso, é crucial a presença de um engenheiro com experiência no processo.

Afinal, o exercício tem o objetivo de ser extremamente preciso, com uma margem de erro que não supere os 5%. Além disso, tem acesso a materiais como os projetos executivos, memorial descritivo de obra e edital de concorrência, se houver.

Como fazer o Orçamento Executivo de uma obra?

Para fazê-lo da maneira ideal, é preciso elaborar o memorial de cálculo do orçamento, em que são determinados todos os materiais e serviços que fazem parte das obras. O objetivo, é atender as especificações dela, de modo a facilitar sua viabilização e a contratação de insumos necessários.

Para tornar esse processo mais simples, o ideal é organizar as informações, separando-as de maneira lógica. Primeiro, trazendo materiais hidráulicos, equipamentos necessários e serviços.

Além disso, podem ser divididos em relação às obras auxiliares que precisam ser feitas e seu tipo. Por exemplo, obras civis, obras elétricas e outras.

A partir disso, são elaborados 3 pontos que devem ser destacados.

Quantificação

Na quantificação, é preenchida uma memória de cálculo de cada unidade construtiva, em que são documentadas todas as informações sobre serviços e materiais necessários para a construção. Como mencionado acima, isso envolve também obras auxiliares.

No caso de serviços que necessitem maior detalhamento, como interferências, travessias e outros, é recomendado fazer um relatório a parte com os serviços e materiais necessários para cada um deles.

Orçamento por unidade

A partir da quantificação, é elaborado o orçamento por unidade. Para encontrá-los, podem ser usados referências de mercado.

Resumo geral

Por fim, é feito um resumo geral com todas as informações apuradas acima.

Como o Orçamento Executivo funciona na prática?

Para entender melhor como o modelo funciona em relação ao tradicional, podemos ver um exemplo. Imagine a construção de um prédio de 4 andares que será usado por uma escola de pós-graduação.

Tradicionalmente, esse tipo de orçamento é dividido em ações semelhantes, sem considerar que atividades diferentes ocorrem em tempos diferentes, o que significa que demandam soluções diferentes. A

lém disso, sempre existe a possibilidade de haver mudanças no escopo, o que também traria um custo mais elevado do que o previsto.

Grande parte das distorções nesse tipo ocorrem por conta de atividades auxiliares, além do movimento de terra e instalações elétricas. Tudo isso tem um custo e demanda tempo. Ambos precisam ser considerados ao elaborar o Orçamento Executivo.

Conclusão

Como ficou claro, o Orçamento Executivo pode ser um processo trabalhoso, mas que certamente faz muita diferença no resultado das obras. Por ser um processo mais complexo, também é preciso se planejar bem para ele. Caso contrário, ele mesmo pode ser um fator de atraso para a obra.

Por outro lado, suas vantagens são grandes demais para deixá-lo de lado. É um processo que traz o maior grau de precisão para quem toma as decisões em relação à obra.

Por isso, pode ser uma forma de economizar e otimizar o gasto de todos os recursos. Além disso, por conhecer a obra ainda melhor, é possível corrigir o curso caso ocorra algum problema no meio do caminho, ou caso o escopo mude.

Gostou do post? Se ficou com a alguma dúvida entre em contato pelo telefone 31 2552 8037 ou no WhatsApp (31) 99131-5378. Além disso, você também pode acessar nossas redes sociais para ficar por dentro de tudo sobre orçamento de obras!

A relação entre o orçamento de obras e a medição de obra

Orçamento de obras é uma das partes mais fundamentais para que uma construtora tenha sucesso no projeto que está à frente. No entanto, diversas empresas do segmento ainda sofrem com a falta de organização e até de orçamentistas capacitados para o serviço, ocasionando em obras superfaturadas pela falta de diversos itens importantes.

Por outro lado, construtoras que conseguem determinar um bom orçamento também podem derrapar durante a execução das obras, por não dar atenção devida ao setor de medição.

Entenda, neste artigo, qual é a relação entre o orçamento e a medição de obras.

Relação entre o orçamento de obras e a medição de obra

Medição de obras é uma demanda da Construção Civil que exige completa disciplina e atenção por parte de seus profissionais. Essa tarefa está completamente ligada ao orçamento do projeto, sendo a principal ferramenta para a boa gestão de controle.

Sendo assim, podemos entender que o objetivo principal da medição de obras é analisar a compatibilidade dos itens executados com o que está previsto no planejamento e nos quantitativos do orçamento.

Essa verificação permite mensurar as demandas anteriormente selecionadas no cronograma, tais como:

– Materiais;

– Equipamentos;

– Mão de obra especializada ou terceirizada.

Facilitando, assim, o cumprimento do orçamento para a realização de pagamentos e verbas mensais para o andamento da obra.

Dessa forma, a medição de todos os serviços necessários para a obra serve como base estrutural durante a elaboração de um orçamento de obras mais completo e próximo da real capacidade de execução do projeto em questão.

Parte da atenção e disciplina exigida para realizar a medição se deve ao fato de que qualquer mínimo erro durante esse levantamento pode gerar enormes prejuízos para a empresa, que vão desde atrasos na entrega por falta de funcionários, até a recompra de materiais.

Como realizar uma boa medição de obras para se ter um bom orçamento de obras?

Para que a medição seja realizada de maneira correta, o profissional responsável deve seguir alguns critérios pré-estabelecidos. Isso não quer dizer, entretanto, que todo projeto de obra consegue seguir as mesmas demandas. Aqui também contam a experiência do profissional envolvido.

Portanto, o responsável pode utilizar uma tabela de composição de preços para orçamentos de obras de sua confiança e preferência, desde que saiba respeitar alguns critérios, tais como:

1. Estruturas de concreto

Estruturas de concreto são medidas pela planta ou no próprio local de execução da obra. O cálculo pode se tornar mais simplificado, caso o gestor opte por medir entre eixos, ou seja, entre o meio de vigas ou, caso se mostre necessário, obter um cálculo mais preciso, a medição deve ocorrer de face a face.

Essa medição, além de ser importante para os custos com materiais, também pode servir para incluir o valor do serviço dos funcionários que deverão realizar a demanda.

2. Alvenaria

A construção de estruturas é parte fundamental de um projeto de obras, sendo assim, a alvenaria é um critério técnico indispensável durante a medição para compor o orçamento de obras.

Para ter a estimativa correta de valores, o profissional deve calcular a área onde será construído o empreendimento, e descontar a área que exceder 2m² em cada vão. Esse levantamento é importante, pois serve como base para que os pedreiros saibam qual será a área que precisará de preenchimento com a alvenaria.

3. Pisos e azulejos

Outra demanda de obra que precisa ser medida de antemão é a área onde serão aplicados os pisos e azulejos no empreendimento a ser construído.

Ao realizar a medição, o profissional responsável consegue orçar os custos com os materiais que precisarão ser comprados para compor o revestimento, evitando, assim, futuras recompras e encarecendo o orçamento de obras.

Importância de um orçamento de obras

A principal característica de um orçamento de obras é que esse documento tem como objetivo servir como previsão de custos de serviços, materiais e equipe necessários para a boa execução de um projeto de obras.

Por se tratar de uma demanda alta, é importante que a construtora tenha um profissional experiente e designado apenas para cumprir com as responsabilidades exigidas por um orçamento de obras.

A elaboração de um orçamento de obras é uma das partes mais importantes de um projeto de Construção Civil, pois é a partir dele que a construtora pode tomar decisões concretas.

Um orçamento de obras pode variar de tamanho e de custos, dependendo das demandas exigidas pelo tipo de obra, não sendo indicado, portanto, que o orçamentista se prenda a um só modelo de base para elaboração.

No entanto, apesar de mudar conforme o tipo de projeto, o orçamento de obras deve servir para avaliar a concepção, o planejamento e o controle da obra a ser iniciada.

Com o orçamento de obras em mãos, é possível que a construtora consiga ter mais clareza nos detalhes mais essenciais da obra, podendo servir como uma análise mais detalhada do estudo de viabilidade.

Além disso, o orçamentista também pode oferecer boas opções de emergência, caso ocorram imprevistos, sem impactar negativamente o valor do orçamento e fazendo com que o planejamento transcorra com total segurança e possa cumprir com os prazos estipulados.

Por fim, o orçamento de obras tem uma grande importância também no controle de gestão operacional e logístico do projeto, auxiliando os gestores em tomadas de decisões importantes e podendo ter controle sobre o que está sendo gasto e realizado, ajudando também a manter o planejamento e o cronograma entre as etapas atualizado e fluído.

Medição e orçamento de obras públicas

No caso de um cliente ser um órgão de administração pública, tanto a medição, quanto o orçamento devem ser apresentados pela construtora com licitação para realizar o projeto, porém, ficará a cargo do Governo fiscalizar a veracidade dos dados anteriormente apresentados.

Sendo assim, para evitar possíveis sanções, a construtora em questão deve seguir à risca o seu planejamento, ciente de que terá a medição regular por parte do órgão público para saber como a obra está sendo desenvolvida.

Acesse nossas redes sociais e saiba mais sobre como nossos serviços podem impactar positivamente as demandas da sua construtora.

A importância do orçamento preliminar para a previsão de custos do empreendimento

Pessoa criando orçamento preliminar

Ao fazer uma obra, você precisa pensar em quanto vai gastar, o que vai precisar usar, como é o terreno ou o local onde será feita, com quantas pessoas vai trabalhar, dentre outras informações. Por isso, é indispensável ter tudo escrito em um documento, principalmente em questão de valores.

E é aí que o orçamento entra. Com ele, você terá uma base do que pode ou não gastar, quantas pessoas vai contratar, entre outras coisas. Existem vários tipos de orçamentos, um deles é o orçamento preliminar, que é indispensável para as obras.

Quer saber mais sobre sua importância na hora de prever os custos? Continue lendo.

O que é orçamento preliminar?

É o orçamento feito depois que a análise de viabilidade e empreendimento é aprovada. Nele, contamos com mais detalhes do projeto. Tais como os componentes arquitetônicos e também estruturais mais importantes. Para fazê-lo, é levada em consideração a estimativa de custos e levantada à quantidade de alguns serviços.

No momento em que o cliente já tem seu projeto arquitetônico, com as especificações necessárias, a empresa já pode oferecer a ele o orçamento preliminar. O qual levanta todos os custos do projeto arquitetônico e será estimado os demais custos a partir do banco de dados.

Para realizar um orçamento preliminar é preciso, além do projeto arquitetônico, contar com algumas especificações, premissas técnicas e expectativa de receitas.

O que um orçamento preliminar precisa ter?

Depois de saber o que é um orçamento preliminar, vamos falar sobre o que ele precisa ter para ser eficaz.

Primeiro de tudo, os custos com mão de obra, isso inclui a contratação de terceiros e o custo da sua empresa também. Segundo, os materiais, que podem incluir até mesmo papel e tinta para impressão, custos de software se precisar atualizar e outros pormenores.

A viagem: caso precise viajar para reuniões com seus clientes ou até pagar a de algum contratado. É preciso que os custos da viagem sejam estimados antes do início das obras e que fique claro quem pagará por isso.

Qual a importância dele para a previsão de custos?

É comum ver projetos sofrendo com imprevistos e também com custos extras. E isso acontece ou por falta de planejamento ou por falta de orçamento. Nem todo mundo entende a importância de um orçamento preliminar ou dão a devida importância a ele.

Com esse orçamento, a empresa consegue conhecer todos os custos da execução do projeto, antes de começar. Logo, será possível identificar antes o custo total da obra e de tudo o que a envolve, permitindo que o construtor avalie se todo o orçamento vai cobrir o que precisa a ser feito ou não.

Se cobrir, ele também vai servir como base na hora de tomar decisões importantes e que melhor se aplicarem, seja relacionado a prazo e a custos. Tudo deve ser feito com cuidado e muita atenção. Com esse orçamento, você tem o custo quase certo de tudo, podendo variar bem pouco.

Os benefícios de um orçamento de obras

Agora que falamos sobre a importância de um orçamento preliminar, precisamos falar sobre os benefícios que um orçamento de obras trás. Ele torna o planejamento mais assertivo, como dito antes é possível ter uma ideia quase exata do quanto à empresa e o cliente vão gastar e fica ainda mais fácil de organizar na hora de comprar tudo.

Com ele, é possível criar uma boa base por ser mais fácil de perceber os padrões de insumos e das composições. Além disso, o orçamento traz um controle muito maior para o projeto em si. Ele é a base para que a obra acontecer porque é a partir disso que se tem noção de materiais e horas de trabalho.

Por fim, um orçamento bem feito resulta na redução de custos. Porque o construtor foca em gastar menos que o previsto nele, e, quando não consegue, funciona como uma referência para que não gaste mais do que pode.

Precisa de ajuda?

Desenvolvemos orçamentos completos e detalhados, com base em projetos ainda em fase de detalhamento. Nossa experiência permite estimar custos ainda não projetados com grande aproximação e analisar soluções técnicas que demandem menor prazo e menor custo, de acordo com as necessidades do empreendimento.

Além disso, elaboramos levantamentos quantitativos com memória de cálculo clara e precisa, calculada cômodo a cômodo, facilitando a conferência e elevando a precisão dos números. Caso tenha alguma dúvida, acesse nossas redes sociais e entre em contato conosco!

Por que o BDI é tão importante em um orçamento na construção civil?

Para fazer uma obra, todo o seu fluxo financeiro precisa ser calculado de forma exata. Afinal, se o custo ultrapassar o orçamento, a empresa pode ter alguns – vários – problemas com o cliente. E sem contar que um dos dois, pelo menos, vai sofrer com prejuízos.

Por isso, os engenheiros criaram uma “fórmula” para calcular esse fluxo da melhor maneira possível, sem que haja erros, chamada BDI. Mas existem muitas pessoas que ainda não conhecem este conceito.

Pensando nisso, separamos alguns tópicos importantes sobre o BDI. Confira, abaixo:

O que é BDI?

Como dito antes, Benefícios e Despesas Indiretas (BDI) é a fórmula inventada por engenheiros civis para calcular com exatidão os custos de uma obra.

Contudo, muitas pessoas, não só no Brasil, como em todo o mundo, ainda não entendem direito o que é o BDI e acabam achando que se trata apenas do lucro.

Em um orçamento, são dois os componentes que vão definir seu valor final:

– Custo direto, que é o qual a execução do serviço objeto do orçamento é responsável;

– Custos indiretos, também chamado de BDI, são os valores que contribuem para a formação do custo total, mesmo não sendo incorporados naquele produto final.

De origem norte-americana, o BDI é conhecido e utilizado no mundo inteiro. Ele diz respeito à diferença entre o orçamento e o faturamento, por isso precisa contar com:

– Margem de incerteza;

– Custos financeiros;

– Seguros;

– Administração central;

– Tributos;

– Margem bruta de contribuição;

– Contribuição social.

 

Como usar o BDI?
Caso você queira utilizar o BDI na sua construção, é importante seguir a fórmula estabelecida pelo Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos (IBEC). Seria ela:

BDI = { [ ( 1 + AC + CF + S + G + MI ) / ( 1 – T + MBC ) ] – 1} x 100

Assim, tendo isso em vista, o AC é o valor da Administração Central, o CF seria o Custo Financeiro, S seriam os Seguros previstos, G equivaleria às Garantias, MI é a Margem de Incerteza, calculada apenas pelas contratantes, T são os Tributos Municipais, Estaduais e Federais, e MBC seria a Margem Bruta de Contribuição.

Dessa forma, uma vez que este valor seja encontrado e precise ser aplicado em um orçamento, basta aplicar uma nova fórmula:

Preço de Venda = Custo Direto x (1 + BDI/100)

 

Por que o BDI é tão importante em um orçamento na Construção Civil?
O BDI é mais do que necessário na hora de fechar o valor total. Simplesmente porque garante exatidão no cálculo e, assim, evita prejuízo tanto para a empresa quanto para o cliente.

Muitas vezes, as pessoas estão com o orçamento apertado e não podem gastar nem um real a mais, e é aí que o BDI entra e ajuda os funcionários a manterem esse valor no final.

Obter esses valores sobre custo, lucro etc. é um fator de extrema importância para qualquer empreendimento, seja público ou privado. E elaborar todos esses custos também requer eficiência e um nível de excelência, o qual pode ser aumentado devido ao BDI.

 

Precisa de consultoria?

Quer implementar o BDI no seu orçamento, mas está passando por dificuldades? Fale com nossa equipe!

Orçamento de Obras: Confira as principais etapas

Realizar um orçamento de obras é colocar em prática a documentação de todas as etapas da construção, compreendendo todos os gastos necessários para a execução da obra.
Assim, o processo de montar um orçamento de obras permite que as construtoras consigam organizar os seus custos, de forma a viabilizar os seus projetos com um custo-benefício satisfatório, tanto para a empresa quanto para o seu cliente.
Confira, neste artigo, as principais etapas para elaborar um orçamento de obras apropriado para o seu negócio.

Elaborando e definindo os investimentos de obra

Para elaborar e definir os investimentos de uma obra, é necessário considerar 3 fatores essenciais. São eles:

1. Fase de Análise

Essa é a fase que irá definir a quantidade de profissionais necessários para a execução da obra, sendo essencial que façam parte da equipe um engenheiro e um arquiteto. Além disso, é preciso realizar o cálculo dos valores a serem aplicados no projeto para poder mensurar se a obra irá gerar o lucro esperado.
Na fase de análise, é imprescindível a compreensão de todos os fatores que envolvem a execução da obra. Isso corresponde desde a equipe de profissionais até o ambiente onde será realizada a construção, pois um local inadequado pode gerar gastos, prejuízos e maior tempo para a execução do projeto.

2. Fase da Documentação

Para que uma obra possa ser realizada, é necessária a apresentação de documentos e de suas aprovações, principalmente no que se refere aos requisitos legais.
Portanto, é preciso ter um olhar mais atento sobre as documentações necessárias, assim como em todos os custos que a liberação do projeto deve gerar.

3. Fase de Decidir

Esse é o momento de realizar os cálculos e definir o prazo de início e conclusão da obra. Nessa fase, é preciso mensurar os possíveis atrasos e prever esse tempo nas determinações de conclusão da construção.
Estabelecer essa organização é uma forma de visualizar a viabilidade do projeto e determinar todos os valores que serão aplicados em conformidade com o tempo de duração da obra.
Assim, se organizam as 3 fases conforme segue:

  • Disponibilidade de investimento;
  • Estimativa e margem de lucratividade;
  • Prazo determinado para a execução e finalização da obra.

Após essas considerações, é possível organizar o orçamento de obra a serem cotados para a execução do projeto em sua totalidade.

Etapas para o orçamento de obras

Após elaborar um cronograma apropriado sobre o projeto e sua execução, chega o momento de realizar o orçamento de obra desse projeto. Para isso, dividimos esse processo em etapas, para melhor entendimento.

Etapa 1: levantamento das informações

Essa etapa coleta todas as informações necessárias sobre a geração de custos do projeto. Ou seja, considera os valores a serem aplicados em:

  • Mão de obra;
  • Materiais;
  • Documentações.

Todas essas informações devem ser organizadas da forma mais detalhada e específica possível, compreendendo todos os valores, podendo dividir os custos por etapas da construção, como a hidráulica, de vedação, estrutural, etc.
A partir dessa etapa, fica mais fácil acompanhar o desenvolvimento do projeto e iniciar a elaboração de um orçamento de obras apropriado para o seu projeto.

Etapa 2: organização de custos

A execução de uma obra gera custos diretos e indiretos para o projeto. Os custos diretos serão aqueles utilizados no canteiro de obra e os indiretos geralmente estão relacionados a:

  • Taxas;
  • Valores administrativos;
  • Materiais de escritório;
  • Dentre outros.

Para fazer um orçamento de obras, o ideal é que se monte uma tabela, planilha ou mesmo uma lista com todos os recursos a serem utilizados, valores e quantidades necessárias para ter um valor mais preciso dos custos.
Nessa etapa, a parte que exige maior atenção é a realizada pelo engenheiro, que deverá determinar os materiais e as quantidades necessárias para a execução da obra.
Assim, para melhor organizar os custos defina:

  • Quantitativo de materiais;
  • Produtividade dos funcionários;
  • Materiais desperdiçados no decorrer do processo;
  • Rejeitos.

Após essas considerações, é o momento de conferir os valores de mercado, para poder estabelecer melhor uma margem de lucro, sem que os valores fiquem muito acima dos concorrentes.

Etapa 3: fechamento de orçamento

Após listar todos os valores, é a hora de definir a lucratividade que se deseja obter com a obra. No entanto, é necessário considerar que a construção está vulnerável a riscos, ao mercado competitivo e à instabilidade do mercado imobiliário.
Além do valor de custos diretos, o fechamento do orçamento deve ser fechado conferindo todos os valores, como:

  • Gastos indiretos no projeto;
  • Lucro desejado;
  • Impostos.

Assim, se adquire o valor do Benefício e Despesas Indiretas, gerando um percentual que permite a concretização do orçamento de obras.

Entregando o orçamento ao seu cliente

Após conhecer o custo real da obra, é mais fácil apresentar ao cliente os orçamentos da construção. Muitas construtoras montam relatórios com todas as informações do projeto muito bem especificadas para justificar o custo da obra ao seu cliente.
É possível, também, contar as ferramentas digitais para organizar todos os dados e informações do projeto. Atualmente, com o avanço da tecnologia, a Inteligência Artificial é uma ferramenta que permite a otimização do tempo, com respostas rápidas e precisas.
A partir desse recurso, é possível gerar:

  • Relatórios;
  • Modelos de orçamentos;
  • Planilhas;
  • Gráficos;
  • Calcular valores mais precisos e certeiros;
  • Dentre muitas outras possibilidades.

Independente de como sejam realizadas as apresentações do orçamento de obras aos seus clientes, o ideal é que eles não fiquem com dúvidas em relação aos seus investimentos.
Dessa forma, é possível estabelecer uma negociação transparente e sem transtornos posteriores em relação às divergências de interesse.
Ao realizar o orçamento, confira sempre todos os valores calculados e se não está faltando nenhum recurso que possa a vir agregar mais valor à obra. Essa é a melhor maneira de evitar prejuízos futuros e perda de lucratividade com o seu projeto.
Agora que você já leu as nossas dicas de como organizar o orçamento da sua obra, não deixe de acessar aos nossos perfis virtuais e conhecer os nossos serviços. Para mais informações, entre em contato conosco e seja atendido por um de nossos profissionais comprometidos e qualificados.